Logo.png
What-Else-Mag-Lifestyle-Lugares-Parque-M

Fatos inéditos e decisivos a respeito do processo que determinou a Independência do Brasil - desde a indignação contra os impostos cobrados pela Coroa Portuguesa, aos vários movimentos de independência que mudaram a face do mundo - e a luta por sua consolidação até a derrota do general Madeira pelo almirante inglês Cochrane, contratado por D. Pedro I.

What-Else-Mag-Lifestyle-Lugares-Parque-M

Como parte das comemorações pelo 200º aniversário da Independência do Brasil, o livro vai jogar luz sobre esse importantíssimo fato histórico, que não se resumiu ao Grito do Ipiranga, nem se consumou em 1822.


Conforme este projeto demonstra, a Independência do Brasil foi um processo que começou com a indignação contra os impostos cobrados pela Coroa Portuguesa, que resultaram em revoltas ocorridas não apenas em Minas Gerais (Curvelo, 1760/1763; Mariana, 1769; Sabará, 1775; Inconfidência Mineira, 1789), mas também na Bahia (Conjuração Bahiana, 1798) e em Pernambuco(1817).


Naquela época, estavam eclodindo vários movimentos de independência nos Estados Unidos (1776) e na Europa (Revolução Francesa, 1789) que mudaram a face do mundo. Homem de grande visão que viveu mais de 10 anos em diversos países europeus naquele período, José Bonifácio de Andrada e Silva tinha sido nomeado ministro por D. Pedro I. Foi ele que preparou o caminho da Independência e, depois, a sua consolidação. Mesmo após o Grito do Ipiranga, em 7 de setembro de 1822, boa parte do território brasileiro continuou subjugada a tropas portuguesas.


Em Salvador (BA) ficaram fundeados 36 navios de guerra portugueses comandados por um certo general Madeira, que não reconhecia a Independência. Esta só ficou consolidada após 2 de julho de 1823, quando Madeira foi derrotado pelo almirante inglês Cochrane, contratado por D. Pedro I.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

Serão impressos 3.000 exemplares com capa dura e formato 15,5cm x 23cm. O trabalho ficará sob a responsabilidade do editor Antônio de Pádua Gurgel, sócio-gerente da Editora Pro Texto Comunicação e Cultura, que tem ampla experiência na produção de publicações (currículo em anexo).

Tal projeto (PRONAC 19 1256) foi aprovado para receber os benefícios da Lei Federal de Incentivo à Cultura (Art. 18), por meio do qual empresas e instituições podem abater integralmente do Imposto de Renda o apoio que derem ao projeto dentro do limite de 4% do imposto devido. O orçamento aprovado pela Secretaria Especial de Cultura inclui itens como produção cultural, pesquisa, redação, edição, revisão, tradução para o Inglês, produção, reprodução e tratamento de fotografias, programação visual, editoração eletrônica, divulgação e impressão de 3.000 exemplares em formato 23cm x 23cm, capa dura e sobrecapa em papel couchê, miolo colorido também em papel couchê, num total de R$ 336.172,39. O patrocínio também pode ser direto.

CONTRAPARTIDAS SOCIAIS

Parte da tiragem será distribuída gratuitamente a leitores de baixa renda. Serão produzidos 100 exemplares de audiolivros, para distribuição gratuita a entidades que atuam com deficientes visuais. O responsável pelo projeto se compromete a realizar palestra aberta ao público sobre o tema.

CONTRAPARTIDAS COMERCIAIS

Além de receber uma quantidade de exemplares proporcional ao apoio que vier a ser concedido, os patrocinadores terão sua logomarca estampada na

contracapa e nos convites alusivos ao lançamento do livro.


Sua participação também será citada nos press-releases, entrevistas e outros materiais de divulgação do projeto.


Caso haja interesse, poderá ser exibido no local do lançamento um banner dos patrocinadores, que também terão direito a usar imagens do projeto para divulgação.


A Empresa também poderá enviar representantes para participar do lançamento do livro, que deverá acontecer em 2020 ou em 2021.

perfil1.jpg

EDITOR

Antonio de Pádua Gurgel nasceu em Vitória do Espírito Santo e se formou em Comunicação pela Universidade de Brasília. Idealiza, elabora, supervisiona e executa projetos. Publicou cerca de 70 livros, inclusive O senhor das orquídeas, Vitória, Espírito Santo (em Português e Inglês), O menino da Ilha, O Brasil vai às urnas – retrato da campanha presidencial de 1989 e Jornal da década de 70, este último com a participação de Merval Pereira e Eliane Cantanhede. Coordena a Coleção Grandes Nomes do Espírito Santo, que já publicou mais de 30 livros, incluindo Rubem Braga, Nara Leão, Maysa, Padre José de Anchieta, José Carlos Oliveira e outros.